Santa, pecadora... Olhar pra dentro é ver-se de verdade: enxergar os paradoxos e aceitar[si].

Minha foto
Maceió, Alagoas, Brazil
Santa, pecadora, com o Amor na veia e a alma nas vísceras.

Contagem regressiva para Tainá pipocar!!!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Alucinógena por definição.

Quando vi essa descrição brilhante num perfil de Orkut, pensei: essa sou bem eu!

“Um sonrisal, porque...

Sonrisal só efervesce de verdade se a água em que é colocado está em temperatura ambiente. Em copo de água gelada, efervesce timidamente, demora a dissolver. E so
me sem barulho, sem profusão, sem bolhas no nariz.
Sonrisal em água gelada talvez faça o mesmo efeito, no final, mas é bem menos divertido de ver: a espuma branca que sobe virulenta, querendo entrar na gente a todo preço, não acontece em ambiente assim.
E agora vem a metáfora brilhante que imaginei:
pessoas são sonrisais e são copos d'água. Pessoas geladas cortam a minha diversão.

Mas o pior não é não rir e não explodir cada vez que eu mergulhar.
O pior é fingir que eu não esperava mesmo que as bolhas acontecessem, fazer de conta que não efervescer é uma coisa natural.
O pior é viver como se eu fosse uma tranqüila drágea, qu
ando eu sou inteira sonrisal.”

Mas... Depois de um tempo-lógico, aquilo que seria eu tomou outra forma... Se efervesceu.

Explico:

Todo sonrisal sai na urina e eu não suporto ser efêmera em minha essência, mesmo sendo finda.

Aí, veio a descrição mais brilhante ainda de uma criatura querida...

“-Você tá mais pra um LSD, gatinha.”

O que perguntei em seguida: “-O que você quer dizer, gatinho?”

“-Você se perpetua, mesmo que não se queira!”, respondeu ele. “Um LSD pode ser uma drágea pequenina, um ‘docinho’ e é chamado assim por aí. Mas, em quem se atreve numa coragem-insana de ingeri-lo, experimenta algo que nunca mais pode se livrar. Ele te tira do chão, te leva ao paraíso ou ao inferno, te proporciona uma experiência que nem espaço/tempo algum pode te fazer esquecer. O LSD te A-L-U-C-I-N-A! E depois de te levar a lugares que você nunca achou que podiam existir a não ser em sonhos e pesadelos, ele ainda se prolonga em você desprendido em cristais que podem, a qualquer momento, depois de tempos e tempos, explodirem e te lembrarem: eu VIVO dentro de você ainda. E você tem que conviver com algo que pode ser um carrossel de alegrias, ou, um reduto de Ades na tua corrente sanguínea – impregnado nas entranhas.O LSD se perpetua em quem o experimenta, mesmo que não se queira. E ainda que se escolha não entrar em contato com ele, o fato de saber que exista já provoca fascínio num misto de medo e tentação. Aí, vem a metáfora: existem pessoas LSD e pessoas que experimentam e que não experimentam LSD. Pessoas que não mergulham em você te desinteressam tanto quanto é certo a provocação de encanto que você provoca até nelas!

O pior não é experimentar e ter que viver com algo que não se agrada, nem não experimentar e nunca saber se a viagem seria fantástica. O mais maluco é saber que existe alguém que consegue ser um LSD: você, gatinha; mesmo que nem você queira.”

Bom, eu só sei que gostei da metáfora de eternidade-irresistível, complexa e incomum. Aceito!

5 comentários:

MCI disse...

Loucas as comparações mas, virginianamente falando, fazem sentido! Rs.
Adorei a imagem, Paulíssima!
Linda, linda.
Cheiro pra você!

=***

elvira carvalho disse...

Sem alucinações, nem LSD, passei por aqui. Deixo um abraço e votos de uma óptima semana.

[ rod ] disse...

Saudades de ti moça... li o texto teu e encontrei discernimento nessa comparação com sonrisal... certamente.

Bjs,





Novo dogMa:
históRias...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Anne disse...

Hahahaha, perfeitoooooooo. Mto vc mesmo, minha amiga linda! Já te falei, e nao há outra palavra para substituir... TU É FODA!!! Desculpa o palavrão, mas é!!!

To com saudade de ti, aparece no msn pra gente fofocar???

Bjos, gatíssima!
Amo-te

elvira carvalho disse...

Voltei a passar.
E deixo outro abraço