Santa, pecadora... Olhar pra dentro é ver-se de verdade: enxergar os paradoxos e aceitar[si].

Minha foto
Maceió, Alagoas, Brazil
Santa, pecadora, com o Amor na veia e a alma nas vísceras.

Contagem regressiva para Tainá pipocar!!!

sábado, 12 de maio de 2007

Amor sublime

Essa postagem é longa. Caso você não seja adepto da leitura, ou não esteja com disposição a ler, não avance. O dia comorativo em homenagem às mães é amanhã, mas senti necessidade de postar hoje porque tenho algumas questões reflexivas a registar. Desde já, desejo um excelente "Dia das Mães" à todos!!!



Amor Sublime



O delas
E o SEU... como definiria por ela?



Acredito que o processo de ser mãe comece antes da concepção.

Comecemos pela reflexão acerca do que vem a ser mãe e o que esse papel representa para todo ser-humano.

O pai tem um papel importantíssimo na formação de personalidade de todo indivíduo, mas este papel ficará para ser melhor explicitado em outra ocasião. E, como todo seu reconhecimento, o papel materno tem peculiaridades de uma profundidade ímpar!

Como é sabido, minha base científica é a Psicologia. Nesta ciência, em particular no âmbito da Psicanálise, o papel materno é de fundamental importância na formação de personalidade de todo e qualquer indivíduo. Esse papel e sua influência perdura por toda a vida.

A começar, Freud em sua pesquisa acêrca da personalidade humana, percebeu algo extremante importante: o aspecto da sexualidade. A ele se atrela todos os outros aspectos que compõem a personalidade no/do ser humano, em toda sua obra.

O referido cientista, através de sua obra define diferenciações básicas entre o processo de desnvolvimento sexual em homens e mulheres.

Muito já se ouviu falar em Complexo de Édipo. Mas, o que vem a ser isso?

Bem, Freud dividiu em 3 períodos básicos o desenvolvimento sexual: fase oral , fase anal , fase fálica; seguidos de um período de latência, onde a energia libinal estará focalizada para fora e não na zona sexual propriamente dita. Esta energia só volará a concentrar-se na zona sexual a partir da adolescência.

O menino no seu processo de Complexo de Édipo(que se dá na fase fálica), "responde" aos seus impulsos de desejo sexual inconscientes à uma identificação com a figura do pai.

Mas o que ocorre com as mulheres nesta fase? É a mesma dinâmica da que se dá nos homens?

Lacan foi mestre em destrinchar a sexualidade feminina!

No processo de desenvolvimento humano que corresponde à fase fálica, a qual dá-se a definição de sexualidade, nos temos como base o seguinte:
O primeiro objeto de amor de todo e qualquer ser-humano é o materno (na figura da mãe, seja esta biológica ou não). E isto se aplica às mulheres, também. Portanto, enquanto o caminho do fechamento do Complexo de Édipo nos meninos se dá em um percurso, nas meninas ele se dará em outro. Resumindo: as mulheres têm que negar sua própria natureza para que possam dirigir seus desejos inconscientes da figura materna à paterna, para a partir daí dar-se o percurso padrão do processo (que se inicia na fase fálica) nas mulheres. Muitos autores denominam este processo como Complexo de Elétra. Mas esta denominação é errônea, devendo ter a mesma referência denominativa do sexo masculino.

Na própria essência feminina vemos algo único e sublime!!!

Antes de ser mãe a genitora/provedora/guadadora é mulher em essência. Na atuação deste papel esta pessoa deverá lidar com renúcias e graças. Deverá conciliar perdas e ganhos em sua vida.

Fora as questões biológicas, como as atreladas ao processo de gestação, amamentação, temos outras de importância relevante: o cuidar, o educar e as trocas. Uma mãe pode tanto criar um Jesus quanto um Hittler!

A ligação entre mãe e filho acompanha o ser humano por toda sua vida, o influenciando positivamente ou negativamente.

Em todas as pesquisas que fiz, bem como, em toda minha experiência com personalidades normais e patológicas, percebi claramente a influência forte dessa figura parental. Concluí que o ser humano é, também, o reflexo do sucesso ou da derrota desse papel.

Baseado no pouquíssimo que já foi colocado, esse texto tem como objetivo explicitar não só a importância da devolução em forma de amor para com as mães. Mas também, ressaltar a importãncia, a responsabilidade e a entrega verdadeira a quem o abraçar.

Além disso, coloco algo de cunho ainda mais pessoal. Muito me desagrada ver como essas datas comemorativas têm seu objetivo invertido com o passar do tempo! Vejo a cada dia que passa, filhos se restringindo à mostrar a devolução de seu amor para com suas mães nessas datas, apenas! Não tráta-se de sermão, mas de uma reflexão. Datas comemorativas servem como referência, mas não devem existir para restringir a demosntração de homenagem e, principalmente, de afeto a esses dias, somente.

É preciso cuidar de quem nos ama e de quem amamos da maneira adequada!



"Pai e mãe: ouro de mina
Coração: desejo e sina
Tudo mais: pura rotina... jaz!"







À minha princesa
ar-noveur
da natureza


- À minha mãe, que muito me desejou. Que com todas as dificuldades de uma incompatibilidade sangüínea (meu pai é AB+ e ela A-), por um erro médico não tomou a vacina contra eritroblastose fetal e passou por 3 abortos espontâneos antes da minha concepção. À ela que sofreu a insegurança de uma gravidez (a minha) que a todos era tida como insussedida. A ela que vibrou extremamente junto a meu pai com o nascimento de uma menina, correspondendo assim as expectativas de ambos a ainda mais: uma menina careca, mais branca que a neve e saudável!kkkkkkk... À ela que não deixou de crêr em algo maior e que nisto se abandonou durante toda a gestação e teve como benção não precisar fazer uma transfusão sangüinea em mim no meu nascimento, pois nasci, inacreditavelmente, com o sangue AB+!!! À ela que renunciou a noites e mais noites de sono pra cuidar de sua cria. A ela que compreendeu os desígnos do Altíssimo em não poder ter outros filhos e que se dedicou sem rancor à mim. Que não foi mole em me promover educação escolar e doméstica. À ela que, junto a meu pai, me ensinaram o amor e o respeito aos seres humanos e aos animais. À ela que hoje se mostra mais filha que mãe e que me prega sustos enormes em hospitais![risos] Mas que, mesmo com todas os problemas de saúde, se mostra uma guereira e desafia a medicina! À ela que me diz dialeticamente todos os dias, que ser mulher é ser guerreira em meiguice e dureza! À ela que re-afirma em meu ítimo todos os dias: ser mulher é algo sublime e ser mãe é refletir de modo prático o que se tem em essência de natureza no interior!

À ela, que aqui não caberiam definições em palavras, simplesmente: AMO!!! Amo todos os dias e PARA SEMPRE!!!

E que o nosso amor seja sempre sublime em essência todos os dias de nossa existência, ou seja, eternamente!

E, amanhã... é só mais um dia... só mais um!

Beijos para ela e para todos (mães, filhos e aos que não têm esse inter-relação veementemente postiva com alguém).

P.S.: Desculpem os erros de meu protuguês "atrofiado" e o conteúdo científico um tanto pobre.


2 comentários:

Plugado disse...

Um bjo enorme p D. Nazaré, Ana. Soube q ela fez cirugia d vista. espero q tenha dado tudo certo.

Bjo

Andréa disse...

que declaração mais linda, amiga! eu queria ir a sua palestra, mas num pode mais !! :(

xero