Santa, pecadora... Olhar pra dentro é ver-se de verdade: enxergar os paradoxos e aceitar[si].

Minha foto
Maceió, Alagoas, Brazil
Santa, pecadora, com o Amor na veia e a alma nas vísceras.

Contagem regressiva para Tainá pipocar!!!

segunda-feira, 16 de abril de 2007

TPM - uma gota d'água no universo humano

Caso a pessoa não more no "cabrobó" sem água encanada, sem luz e, portanto, sem acesso a televisão não tem desculpa pra não respeitar essa fase imprevisível da previsibilidade feminina de todo mês! Nos casos opostos: burrice!!! E gente burra ninguém merece!!! Nessa fase, todo probleminha toma uma proporção extremamente maior. E, fatalmente, as palavras sinceras ao extremo saltam da boca com uma facilidade... Tradução: se não quer ouvir o que não consegue encarar não provoque a FERA!(risos... irônicos)
Isso é um processo natural de frustração biológica e inco
nsciente. Para os mais leigos, uma breve explicação: A TPM ocorre por conta de processo biopsiquícos conflitivos que decorrem de frustrações biológicas e psíquicas causadas pela "destruição" da preparação à procriação, a qual o organismo feminino prepára-se todo mês. É natural que esses desejos também estejam no incosnciente e não venham à tona de modo tão claro (à consciência), já que a lida diária pela inependência financeira, pelo sucesso profissional se torna cada vez mais real na vida de uma mulher. O que é importantíssimo pois, tráta-se de uma busca por realização humana! E isso não é mais privilégio só dos homens. O que as mulheres e o mundo dos negócios precisam é se adaptar a essa realidade, de modo a harmonizar o lado pessoal (profissional ) com o bio-incosnciente. No universo dos negócios há uma competitividade e, conseqüentemente, uma exigência cruel em ser o melhor, em ser perfeito. Mas, uma mulher só é perfeita em todos os aspectos, quando também torna real seus dotes biológicos maternais. Isso em nível inconsciente. O que representa uma realidade incompatível com suas atividades e aspirações profissionais. Contudo, realidade coerente com seus desejos inconscientes e, muitas vezes, conscientes também. Una-se tudo isto a um componente de desejo biológico e tem-se o âmago do conflito! Daí surge a irritação, a sinceridade desmedida, a impaciência pra aturar as burrices do dia-a-dia, a sensação de frustração inexplicável.
Não basta apenas tornar isso tudo consciente. As manifestações frustrantes de caráter biológico existirão, independente do inconsciente/consciente psíquico! E as conseqüências disso continuam eclodindo nas inter-relações pessoais diárias (de trabalho, de família... de vida!). Para equilibrar, criar uma possível omeostase, faz-se necessário conciliar a compreensão interna/externa da duas faces que co-habitam no universo da feminilidade. Não basta só ter o conhecimento básico do que venha ser TPM e seus processos biopsicossociais conflitivos, a compreensão mais paurada deles é indispensável para processos de interelação saudáveis! Afinal, estimular a procriação desmedida não é um objetivo do universo masculino contemporâneo, também! Nada mais justo que, não só mulheres, mas homens se interem das nuances que permeiam a feminilidade.


O ser humano, de um modo geral, está para além de um aspecto de vida. As mulheres encontram-se inseridas na humanidade. Seres diferentes, homens e mulheres, mas habitantes do mesmo mundo e oriundos da mesma natureza primordial humana.

Finalizo com um trecho de Kolb (1977):

"o ambiente no qual o indivíduo vive é muito mais do que um
mundo físico. Consiste na estreita interação interpessoal com
o grupo familiar e as pressões impostas sobre este grupo pela
cultura mais ampla e seus sistemas de valores particulares, as-
sim como a influência de forças sócio-econômicas na dependên-
cia da estrutura de classes da sociedade na qual o indivíduo e
sua família vivem."


A incompreensão da TPM pode representar uma gota d'água nas interelações humanas, o que ela já é no universo biopsicossocial feminino.




É imprescindível respeitar o modo de ser natural do outro!

Um comentário:

sinnerandsaint disse...

Eu só quero é ser feliz com todos os meus paradoxos e ser respeitada por tudo que sou! Um direito que me assiste e que tenho obrigação de exigir! ;)

Beijos.